quinta-feira, 4 de novembro de 2010

O Cortiço - resumo e análise da obra de Aluísio de Azevedo


Ao ser lançado, em 1890, O Cortiço teve boa recepção da crítica, chegando a obscurecer escritores do nível de Machado de Assis. Isso se deve ao fato de Aluísio de Azevedo estar mais em sintonia com a doutrina naturalista, que gozava de grande prestígio na Europa. O livro é composto de 23 capítulos, que relatam a vida em uma habitação coletiva de pessoas pobres (cortiço) na cidade do Rio de Janeiro.
O romance tornou-se peça-chave para o melhor entendimento do Brasil do século XIX. Evidentemente, como obra literária, ele não pode ser entendido como um documento histórico da época. Mas não há como ignorar que a ideologia e as relações sociais representadas de modo fictício em O Cortiço estavam muito presentes no país.

RIGOR CIENTÍFICO Essa criação de Aluísio de Azevedo tem como influência maior o romance L’Assommoir, do escritor francês Émile Zola, que prescreve um rigor científico na representação da realidade. A intenção do método naturalista era fazer uma crítica contundente e coerente de uma realidade corrompida. Zola e, neste caso, Aluísio combatem, como princípio teórico, a degradação causada pela mistura de raças.
Por isso, os dois romances naturalistas são constituídos de espaços nos quais convivem desvalidos de várias etnias. Esses espaços se tornam personagens do romance.

É o caso do cortiço, que se projeta na obra mais do que os próprios personagens que ali vivem. Um exemplo pode ser visto no seguinte trecho:

“E durante dois anos o cortiço prosperou de dia para dia, ganhando forças, socando-se de gente. E ao lado o Miranda assustava-se, inquieto com aquela exuberância brutal de vida, aterrado defronte daquela floresta implacável que lhe crescia junto da casa, por debaixo das janelas, e cujas raízes, piores e mais grossas do que serpentes, minavam por toda a parte, ameaçando rebentar o chão em torno dela, rachando o solo e abalando tudo.”

O narrador compara o cortiço a uma estrutura biológica (floresta), um organismo vivo que cresce e se desenvolve, aumentando as forças daninhas e determinando o caráter moral de quem habita seu interior.

NARRADOR A obra é narrada em terceira pessoa, com narrador onisciente (que tem conhecimento de tudo), como propunha o movimento naturalista. O narrador tem poder total na estrutura do romance: entra no pensamento dos personagens, faz julgamentos e tenta comprovar, como se fosse um cientista, as influências do meio, da raça e do momento histórico.

O foco da narração, a princípio, mantém uma aparência de imparcialidade, como se o narrador se apartasse, à semelhança de um deus, do mundo por ele criado. No entanto, isso é ilusório, porque o procedimento de representar a realidade de forma objetiva já configura uma posição ideologicamente tendenciosa.

TEMPO
Em O Cortiço, o tempo é trabalhado de maneira linear, com princípio, meio e desfecho da narrativa. A história se desenrola no Brasil do século XIX, sem precisão de datas. Há, no entanto, que ressaltar a relação do tempo com o desenvolvimento do cortiço e com o enriquecimento de João Romão.

ESPAÇO
São dois os espaços explorados na obra. O primeiro é o cortiço, amontoado de casebres mal-arranjados, onde os pobres vivem. Esse espaço representa a mistura de raças e a promiscuidade das classes baixas. Funciona como um organismo vivo. Junto ao cortiço estão a pedreira e a taverna do português João Romão.

O segundo espaço, que fica ao lado do cortiço, é o sobrado aristocratizante do comerciante Miranda e de sua família. O sobrado representa a burguesia ascendente do século XIX. Esses espaços fictícios são enquadrados no cenário do bairro de Botafogo, explorando a exuberante natureza local como meio determinante. Dessa maneira, o sol abrasador do litoral americano funciona como elemento corruptor do homem local.


ENREDO O livro narra inicialmente a saga de João Romão rumo ao enriquecimento. Para acumular capital, ele explora os empregados e se utiliza até do furto para conseguir atingir seus objetivos. João Romão é o dono do cortiço, da taverna e da pedreira. Sua amante, Bertoleza, o ajuda de domingo a domingo, trabalhando sem descanso.

Em oposição a João Romão, surge a figura de Miranda, o comerciante bem estabelecido que cria uma disputa acirrada com o taverneiro por uma braça de terra que deseja comprar para aumentar seu quintal. Não havendo consenso, há o rompimento provisório de relações entre os dois.

Com inveja de Miranda, que possui condição social mais elevada, João Romão trabalha ardorosamente e passa por privações para enriquecer mais que seu oponente. Um fato, no entanto, muda a perspectiva do dono do cortiço. Quando Miranda recebe o título de barão, João Romão entende que não basta ganhar dinheiro, é necessário também ostentar uma posição social reconhecida, freqüentar ambientes requintados, adquirir roupas finas, ir ao teatro, ler romances, ou seja, participar ativamente da vida burguesa.

No cortiço, paralelamente, estão os moradores de menor ambição financeira. Destacam-se Rita Baiana e Capoeira Firmo, Jerônimo e Piedade. Um exemplo de como o romance procura demonstrar a má influência do meio sobre o homem é o caso do português Jerônimo, que tem uma vida exemplar até cair nas graças da mulata Rita Baiana. Opera-se uma transformação no português trabalhador, que muda todos os seus hábitos.

A relação entre Miranda e João Romão melhora quando o comerciante recebe o título de barão e passa a ter superioridade garantida sobre o oponente. Para imitar as conquistas do rival, João Romão promove várias mudanças na estalagem, que agora ostenta ares aristocráticos.
O cortiço todo também muda, perdendo o caráter desorganizado e miserável para se transformar na Vila João Romão.

O dono do cortiço aproxima-se da família de Miranda e pede a mão da filha do comerciante em casamento. Há, no entanto, o empecilho representado por Bertoleza, que, percebendo as manobras de Romão para se livrar dela, exige usufruir os bens acumulados a seu lado.
Para se ver livre da amante, que atrapalha seus planos de ascensão social, Romão a denuncia a seus donos como escrava fugida. Em um gesto de desespero, prestes a ser capturada, Bertoleza comete o suicídio, deixando o caminho livre para o casamento de Romão.

ALEGORIA DO BRASIL
Mais do que empregar os preceitos do naturalismo, a obra mostra práticas recorrentes no Brasil do século XIX. Na situação de capitalismo incipiente, o explorador vivia muito próximo ao explorado, daí a estalagem de João Romão estar junto aos pobres moradores do cortiço. Ao lado, o burguês Miranda, de projeção social mais elevada que João Romão, vive em seu palacete com ares aristocráticos e teme o crescimento do cortiço. Por isso pode-se dizer que O Cortiço não é somente um romance naturalista, mas uma alegoria do Brasil.

O autor naturalista tinha uma tese a sustentar sua história. A intenção era provar, por meio da obra literária, como o meio, a raça e a história determinam o homem e o levam à degenerescência.
A obra está a serviço de um argumento. Aluísio se propõe a mostrar que a mistura de raças em um mesmo meio desemboca na promiscuidade sexual, moral e na completa degradação humana. Mas, para além disso, o livro apresenta outras questões pertinentes para pensar o Brasil, que ainda são atuais, como a imensa desigualdade social.

LITERATURA 2ºANO ENSINO MÉDIO

ROMANTISMO
Com o romantismo, desenvolve-se e amplia-se a criação literária nacional. Os ideais românticos, nascidos na Europa no fim do século XVIII, espalharam-se pelo mundo por meio dos artistas franceses. A liberdade conquistada na Revolução Francesa teve influência determinante nas características do movimento. Era a libertação da poética neoclássica e a passagem para uma linguagem mais espontânea, carregada de emoções.

Foi com Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães, que nasceu o romantismo no Brasil, em 1836. Seus autores expressavam, no plano literário, a busca por uma identidade nacional, num país que se tornara formalmente independente de Portugal pouco tempo antes.

Entre as principais características do romantismo estão: subjetivismo, valorização das emoções e das paixões, liberdade de criação, desejo de igualdade e nacionalismo. Um de seus principais escritores foi José de Alencar, autor de Iracema, O Guarani, Senhora e Lucíola.

A poesia romântica comportou diversos temas. Inicialmente, era forte a vertente nacionalista ou indianista. Os principais escritores desse período foram Gonçalves de Magalhães e Gonçalves Dias, considerado o primeiro grande poeta do romantismo no país. Destacam-se a exaltação à natureza, o sentimentalismo, a representação da figura do índio como um ser idealizado e o nacionalismo.
A poesia considerada ultra-romântica é representada por autores como Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu e Fagundes Varela. As obras ainda eram carregadas de sentimentalismo, mas tinham elementos diferentes, como a exaltação do “eu” e temas como morte, tristeza e solidão.

A adesão ao movimento pela abolição dos escravos de muitos escritores românticos deu origem ao movimento mocondoreiro, influenciado pela poesia social do francês Victor Hugo. Destaca-se o baiano Castro Alves. O nome condoreiro vem de condor, pássaro de vôo mais alto das Américas, que era o símbolo do movimento, pois dava a idéia de grandiosidade.

NATURALISMO/REALISMO O início do naturalismo/realismo é marcado por duas obras, ambas de 1881: O Mulato, de Aluísio de Azevedo, e Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.

O fim do século XIX foi marcado por grandes transformações no Brasil. A monarquia entrou em decadência, foi aprovada a Lei Áurea, que aboliu a escravatura, e a economia – principalmente o café – se voltou para o mercado externo. O surgimento do naturalismo e do realismo deve ser entendido nesse contexto.

A ênfase nas emoções dá lugar a abordagens que procuram a objetividade. Os temas são também mais polêmicos, como as críticas à Igreja Católica e à burguesia.

Naturalismo e realismo costumam ser apresentados juntos, porque surgiram no mesmo período histórico e possuem muitos elementos comuns. Suas obras têm como características o objetivismo, universalismo e materialismo. A literatura passa a focalizar temas e personagens ligados à realidade da época, ou seja, apresenta-se como expressão do real.

Na literatura naturalista, há uma presença maior do determinismo – linha de pensamento desenvolvida pelo filósofo francês Hippolyte Taine –, segundo o qual o homem é determinado pelo meio em que vive, pela sua raça (estágio de sua evolução física) e pelo momento histórico. Os romances naturalistas mostram personagens cujo destino é determinado por esses elementos, e a narrativa assume um caráter de tese científica. O principal autor dessa escola, no Brasil, foi o maranhense Aluísio de Azevedo, que escreveu, além da obra citada, O Cortiço, Casa de Pensão e outras histórias em que a tragédia e a fatalidade apareciam como decorrência direta das situações nas quais viviam os personagens.

SIMBOLISMO E PRÉ-MODERNISMO Os livros Missal e Broquéis, de Cruz e Sousa, ambos de 1893, marcam o surgimento do simbolismo no Brasil. Fortemente influenciado pela literatura de autores como os franceses Baudelaire e Verlaine, esse movimento levava mais longe o subjetivismo já cultivado pelos românticos. Enfatizava os elementos sensíveis e a preocupação com a arte pela arte, sem sua vinculação direta com a situação social e política. Os poemas simbolistas movem-se num mundo abstrato, construído por meio de imagens simbólicas.

No começo do século XX, já no período republicano, o Brasil viveu episódios como a revolta de Canudos, na Bahia, o ciclo do cangaço, no Nordeste, e o ciclo da borracha, na Amazônia. Era o tempo da “república do café-com-leite” (união das oligarquias paulistas e mineiras para dividir o poder) e das primeiras mobilizações amplas e greves de operários em São Paulo. A literatura sofre os efeitos dessas mudanças e passa a buscar um registro mais afinado com os novos tempos.

Nesse período, surgem autores que, ainda sem todas as características renovadoras do modernismo, já não fazem a mesma literatura de antes. São os precursores dos modernistas que viriam logo a seguir.

A preocupação científica se mantém forte em várias obras desse período, bem como a importância de temas regionais ou que buscam entender o Brasil de forma mais profunda. Na poesia, a referência é Augusto dos Anjos, que, com um único livro, Eu, atraiu interesse para sua estranha obra. Na prosa, Euclides da Cunha marca esse período de transição com Os Sertões, de 1902.

Outro autor que traz à tona aspectos pré-modernistas é Lima Barreto, autor de Triste Fim de Policarpo Quaresma. Monteiro Lobato, lembrado principalmente por suas contribuições à literatura infantil, focaliza em suas obras adultas temas regionais, principalmente relacionados ao Vale do Paraíba
e ao interior de São Paulo.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
joao pessoa, paraiba
Professor de matemática,física e química.Aulas do ensino fundamental ao ensino médio Atendimento de segunda (das 9hs as 21hs) a sábado (das 9hs as até 12horas).

SETTE CURSOS (83)9114-3000/8616-2991/8153-9869