quinta-feira, 18 de março de 2010

Civilização Inca


Os incas viveram na região da Cordilheira dos Andes (América do Sul ) nos atuais Peru, Bolívia, Chile e Equador. Fundaram no século XIII a capital do império: a cidade sagrada de Cusco. Foram dominados pelos espanhóis em 1532.
O imperador, conhecido por Sapa Inca era considerado um deus na Terra. A sociedade era hierarquizada e formada por: nobres (governantes, chefes militares, juízes e sacerdotes), camada média ( funcionários públicos e trabalhadores especializados) e classe mais baixa (artesãos e os camponeses). Esta última camada pagava altos tributos ao rei  em mercadorias ou com trabalhos em obras públicas.
Na arquitetura, desenvolveram várias construções com enormes blocos de  pedras encaixadas, como templos, casas e palácios. A cidade de Machu Picchu foi descoberta somente em 1911 e revelou toda a eficiente estrutura urbana desta sociedade. A agricultura era extremamente desenvolvida, pois plantavam nos chamados terraços (degraus formados nas costas das montanhas). Plantavam e colhiam feijão, milho (alimento sagrado) e batata. Construíram canais de irrigação, desviando o curso dos rios para as aldeias. A arte destacou-se pela qualidade dos objetos de ouro, prata, tecidos e jóias. 
Domesticaram a lhama (animal da família do camelo) e utilizaram como meio de transporte, além de retirar a lã , carne e leite deste animal. Além da lhama, alpacas e vicunhas também eram criadas.
A religião tinha como principal deus o Sol (deus Inti). Porém, cultuavam também animais considerados sagrados como o condor e o jaguar. Acreditavam num criador antepassado chamado Viracocha (criador de tudo).
Criaram um interessante e eficiente sistema de contagem : o quipo. Este era um instrumento feito de cordões coloridos, onde cada cor representava a contagem de algo. Com o quipo, registravam e somavam as colheitas, habitantes e impostos. Mesmo com todo desenvolvimento, este povo não desenvolveu um sistema de escrita. 

Universidades Federais da Paraíba divulgam obras literárias para o Vestibular 2011


As leituras recomendadas para os concursos vestibulares da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) já foram divulgadas. Os alunos Motiva terão acesso a todos os livros nas bibliotecas Augusto dos Anjos (Motiva Centro) e Jorge Amado (Motiva Jardim Ambiental).

Processo Seletivo  - UFCG

Para o  Processo Seletivo da UFCG, foram indicados nove livros, sendo seis para a primeira etapa e três para a segunda. A Comissão de Processos Vestibulares aconselha que, seguindo uma orientação dosReferenciais Curriculares da Paraíba para o Ensino Médio,  os candidatos  leiam as três primeiras obras da primeira etapa para o exame referente ao primeiro ano.
Outra novidade para o concurso 2011 é "A Botija", obra da escritora campinense Clotilde Tavares (irmã de Bráulio Tavares).  "A Botija é uma narrativa de amor e aventura, reunindo elementos das histórias detrancoso e da literatura de cordel".
 1ª ETAPA 

       1. Esconderijos do tempo - Mario Quintana (Ed. Globo) *
       2. Contos brasileiro (Coleção Para gostar de ler, vol 8, Ática) *
       3 A botija - Clotilde Tavares (Editora 34 e Editora da UFRN) *
       4. O Judas em Sábado de Aleluia Martins Pena (Há várias edições)
       5. Melhores Poemas de Cruz e Sousa (Ed. Global)
       6. Senhora - José de Alencar (Há várias edições)

 2 ª ETAPA
       1. Eles não usam black-tie - Gianfrancesco Guarnieri -(Civilização brasileira)
       2. Boca do Inferno - Ana Miranda; (Ed. Companhia das Letras)
       3. Terra de Santa Cruz - Adélia Prado (Ed. Record)


Processo Seletivo Seriado - UFPB

Para o Processo Seletivo Seriado (PSS 2011) da UFPB serão cobradas nove obras literárias, três para cada série do Ensino Médio. Como obras da literatura regional constam as obras do pernambucano João Cabral de Melo Neto (Melhores poemas) e do paraibano José Lins do Rego (Usina).
"Usina possui narrativa descritiva do meio de vida nos engenhos de açúcar e nas plantações do Nordeste. A obra é excessivamente descritiva, parecendo mais uma aula de economia do que uma obra ficcional. Neste último romance, José Lins retrata a decadência dos engenhos por força do processo industrial das usinas, que suplantam a produção artesanal."

1ª ETAPA
PSS 1:

  1. Cartas chilenas Tomás Antônio Gonzaga - São Paulo: Companhia das Letras.
  2. O coração roubado e outras crônicas -  Marcos Rey. São Paulo: Ática.
  3. O noviço / O judas em sábado de aleluia - Martins Pena.. São Paulo: Ática

PSS 2:

  1. Casa de pensão - Aluísio Azevedo. São Paulo: Ática.
  2. Os melhores poemas de Olavo Bilac - Olavo Bilac. Sel. Marisa Lajolo. São Paulo:Global.
  3. Os melhores contos de Machado de Assis -  Machado de Assis. Sel. Domício Proença Filho. São Paulo: Global.
2ª ETAPA
PSS 3

  1. O pagador de promessas - Dias Gomes. Rio de Janeiro: Ediouro.
  2. Os melhores poemas de João Cabral de Melo Neto - João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Global.
  3. Usina - José Lins do Rego.  Rio de Janeiro: Olympio.

OS GRANDES PENSADORES DAS CIÊNCIAS SOCIAIS




Onde e o que estudou?
Qual o trabalho desenvolvido e contribuído a sociologia?

1-JEAN-JACQUES ROUSSEAU(1712-1778)
Em 1749, Rousseau ingressa na   Academia de Dyon,Paris . Se o progresso das ciências e das artes contribuiu para corromper ou aprimorar os costumes. Fica muito emocionado, tomado por idéias. Um universo se abre diante dele. Redige algumas linhas e mostra a Diderot, que o encoraja a concorrer ao prêmio.Ao defender que todos os homens nascem livres, e a liberdade faz parte da natureza do homem, Rousseau inspirou todos os movimentos que visavam uma busca pela liberdade.Deve-se a Rousseau uma vasta contribuição a sociologia tais  como: a Visão de total liberdade no estado de natureza do homem, Vontade geral, Educação centrada na criança, Amor-próprio, Soberania do Povo, Liberdade Positiva.

2-AUGUSTO COMTE(1798-1857)
Com 16 anos, em 1814, ingressou na Escola Politécnica de Paris. No período de 1817-1824 foi secretário do conde Henri de Saint-Simon (1760-1825), expoente do socialismo utópico; todavia, como Saint-Simon apropriava-se dos escritos de seus discípulos para si e como dava ênfase apenas à economia na interpretação dos problemas sociais.Deixou  as seguintes contribuição para a sociologia:Lei dos Três Estados, Sociologia,síntese subjetivahumanismo.

3-KARL MARX (1818-1883)
 Economista, filósofo e socialista alemão, Karl Marx estudou na universidade de Berlim, principalmente a filosofia hegeliana, e formou-se em Lena, em 1841, com a tese Sobre as diferenças da filosofia da natureza de Demócrito e de Epicuro. Embora praticamente ignorado pelos estudiosos acadêmicos de sua época, Karl Marx é um dos pensadores que mais influenciaram a história da humanidade. O conjunto de suas idéias sociais, econômicas e políticas transformou as nações e criou blocos hegemônicos. Muitas de suas previsões ruíram com o tempo, mas o pensamento de Marx exerceu enorme influência sobre a história.

4-DAVID ÉMILE DURHEIM(1858-1917)
Emile Durkheim, sociólogo francês, nasceu em Épinal em 15 de Abril de 1858. Estudou na École Normale Supérieure de Paris, doutorando-se em Filosofia.Em 1887, assumiu a primeira cátedra de Sociologia criada na França, na Universidade de Bórdeus. Aí permaneceu até 1902, quando foi convidado a lecionar Sociologia e Pedagogia na Universidade Sorbonne, em Paris. É considerado o fundador da Sociologia moderna. Foi um dos primeiros a estudar mais profundamente fenômenos sociais como suicídio, o qual, segundo ele, é praticado na maioria das vezes em virtude da desilusão do individuo com relação ao meio social em que vive.
Para Durkheim, o objeto da Sociologia são os fatos sociais, que devem, ser estudados como “coisas”, isto é, como algo com existência própria, objetiva, e que atua de forma coercitiva sobre os indivíduos.


5-MAX WEBER(1864-1920)
 Em 1882 foi para a Faculdade de Direito de Heidelberg. Um ano depois transferiu-se para Estrasburgo, onde prestou o serviço militar.Em 1884 reiniciou os estudos universitários, em Göttingen e Berlim, dedicando-se as áreas de economia, história, filosofia e direito.É conhecido sobretudo pelo seu trabalho sobre a Sociologia da religião.Principais trabalhos:A ética protestante e o espírito do capitalismo

6-BRONISLAW KASPAR MALINOWSKI(1884-1942)
Depois de formado em Filosofia matricula-se na  matricula-se na Escola de Ciências Econômicas e Políticas de Londres (1910), onde a antropologia acabara de entrar para o currículo. Conquistou renome nos círculos antropológicos com ensaios sobre os aborígines australianos. Ele é considerado um dos fundadores da antropologia social. Fundou a escola funcionalista.

7-KARL MANHEIM(1893-1947)
Sociólogo húngaro nascido em 1893, Karl Mannheim foi um dos grandes impulsionadores da Sociologia do Conhecimento. Na sua obra "Ideologia e Utopia", publicado em 1929, faz uma abordagem inovadora da relação entre o conhecimento e a realidade, afirmando que é esta relação que determina o conteúdo das ideias. Merece também destaque o seu contributo na divulgação da sociologia nos Estados Unidos e em Inglaterra, Transportando-a, pela primeira vez, para fora da esfera germânica.

8-ANTÔNIO GRAMSCI(1891-1937)
Antonio Gramsci foi uma das referências essenciais do pensamento de esquerda no século 20, co-fundador do Partido Comunista Italiano. Gramsci promoveu o casamento das idéias de Marx com as de Maquiavel, considerando o Partido Comunista o novo "Príncipe", a quem o pensador florentino renascentista dava conselhos para tomar e permanecer no poder. Para Gramsci, mais ainda do que para Maquiavel, os fins justificam os meios e qualquer ato só pode ser julgado a partir de sua utilidade para a revolução comunista.

9-CHARLES WRIGHT MILS(1916-1962)
 Mestre em artesfilosofia e sociologia pela Universidade do Texas, doutorou-se em sociologia e antropologia pela Universidade de Wisconsin.Foi professor de Sociologia das Universidades de Maryland e Columbia.O autor ficou principalmente conhecido por seu livro A Imaginação Sociológica, publicado originalmente nos EUA em 1959. Nele o autor faz um apelo para que sociólogos não deixem a imaginação e a criatividade de lado, ao exercerem sua profissão, em favor de uma pretensa objetividade e neutralidade do trabalho científico.
 Suas obras mais conhecidas são The Power Elite (1956; A elite do poder), na qual estuda a relação entre o poder econômico e as forças armadas, e The Sociological Imagination (1959; A imaginação sociológica).

10-CLAUDE LÉVI-STRAUSS(1908-2009)
É considerado fundador da antropologia estruturalista, em meados da década de 1950, e um dos grandes intelectuais do século XX.Professor honorário do Collège de France, ali ocupou a cátedra de antropologia social de1959 a 1982.Desde seus primeiros trabalhos sobre os povos indígenas do Brasil, que estudou em campo, no período de 1935 a 1939, e a publicação de sua tese As estruturas elementares do parentesco, em 1949, publicou uma extensa obra, reconhecida internacionalmente.


11-GILBERTO FREYRE(1900-1987)
No início dos anos 1920, estudou Ciências Sociais e Artes nos Estados Unidos. Sociólogo e escritor brasileiro. Sua obra, sobre a contribuição do negro e o fenômeno da miscigenação, apresenta uma visão original da sociedade brasileira.Escreveu 67 livros, sendo Casa Grande & Senzala a sua maior obra, publicada em 1933, e que se tornou um clássico sobre a história da formação da sociedade brasileira.

12-FLORESTAN FERNANDES(1920-1995)
Em 1941, ingressou na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, graduando-se mais tarde, em Ciências Sociais.Obteve o título de Mestre em 1947, ao dissertar sobre A Organização Social dos Tupinambás. E no início da década de 50, defendeu sua tese de doutorado, A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá. Atuou como assistente catedrático, livre docente e professor titular na cadeira de Sociologia I, sendo efetivado na cátedra no ano de 1964, com a tese A Integração do Negro na Sociedade de Classes.  Pode-se dizer que o que Florestan fez foi transformar a maneira de se realizar a investigação sociológica.



13-ALAIN TOURAINE(1925-)
Sua carreira na Sociologia começou cedo. Em 1958 criou o Laboratório de Sociologia do Trabalho em França e foi nos anos 60 presidente da Société de Sociologie Française. Foi co-fundador da revista Sociologie du Travail. O seu pioneirismo no estudo da condição operária do capitalismo industrial maduro levou-o a escrever La conscience ouvriére em 1966. Tornou-se conhecido por ter sido o pai da expressão "sociedade pós-industrial". Seu trabalho é baseado na "sociologia de ação" e seu principal ponto de interesse tem sido o estudo dos movimentos sociais. 

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
joao pessoa, paraiba
Professor de matemática,física e química.Aulas do ensino fundamental ao ensino médio Atendimento de segunda (das 9hs as 21hs) a sábado (das 9hs as até 12horas).

SETTE CURSOS (83)9114-3000/8616-2991/8153-9869